Bibliografia Consultada

Bailey RL1, Fulgoni VL 3rd, Keast DR, Dwyer JT. Dietary supplement use is associated with higher intakes of minerals from food sources. Am J Clin Nutr. 2011;94 (5):1376-81.

Bezerra IL et al . Consumo de alimentos fora do domicílio no Brasil. Rev. Saúde Pública. 2013 (47) 200-211.

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008/2009 (POF) Aquisição alimentar domiciliar per capita, Brasil e grandes regiões.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília, DF, 2006.

Cozzolino S.M.F. Organizadora. Biodisponibilidade de nutrientes.3.ed. Atual. E ampl. Editora Manole. Barueri, São Paulo, 2009.

Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL). Brasil Food Trends 2020. São Paulo: Gráfica Ideal. 2010.

Mahan LK, Escott SS. Krause: alimentos, nutrição & dietoterapia. São Paulo: Roca, 2005.

Pinheiro ARO; Freitas SFT, Corso ACT. Uma abordagem epidemiológica da obesidade. Rev. Nutr. 2004,17, (4): 523-533.

Pinheiro MM, Schuch NJ, Genaro PS, Ciconelli RM, et al. Nutrient intakes related to osteoporotic fractures in men and women: The Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS) Nutr J. 2009.29;8:6.

Ramalho A. Fome Oculta: Diagnóstico, tratamento e prevenção. 1ª ed. São Paulo:Atheneu, 2009. 378p.

Sarni ROS, et.al. Micronutrientes e sistema imunológico. Rev. Bras. Alerg. Imunopatol. 2010; 33 (1).

Study (BRAZOS) Osteoporosys Int, 2008. Rheumatology Division, Federal University os São Paulo, Unifesp/EPM, São Paulo, Brazil.