Libido feminino

As disfunções sexuais que afetam a libido feminina não são segredo para ninguém. Mas, geralmente, elas são omitidas e, dessa forma, podem ficar sem o tratamento adequado para serem curadas ou reduzidas. Isso impacta diretamente a qualidade de vida das mulheres e sua saúde física e mental ¹,².

A resposta sexual feminina é dividida em quatro fases: desejo, excitação, orgasmo e resolução. Qualquer tipo de transtorno em um desses estágios pode desencadear disfunções sexuais, como a perda da libido feminina, o vaginismo, a dificuldade de orgasmo, dispareunia, entre outras ².

O sexo não é apenas uma função biológica voltada para reprodução, ele é uma atividade que engloba muitas outras variáveis, como o prazer, a intimidade, a autoestima, a identidade sexual e as experiências socioculturais, emocionais e cognitivas ¹.

Por isso, qualquer alteração que influencie a resposta sexual da mulher precisa ser investigada e, claro, tratada adequadamente. Mas, caso o problema não seja fisiológico, é possível introduzir alguns hábitos e alimentos que estimulam a libido feminina, sabia?

Leia este artigo e aprenda o que é libido feminina e como ela funciona. Veja também as principais causas da falta de desejo sexual e como aumentá-lo no dia a dia. Preparada? Boa leitura!

O que é libido feminina?

A libido feminina é definida como o desejo da mulher em praticar relações sexuais. Ela é classificada como a primeira fase do ciclo de resposta sexual. Nesse estágio, há pensamentos e fantasias sexuais frequentes que podem ser mais ou menos intensos ¹,⁵.

Muitos fatores podem influenciar a libido, como o estado emocional, comportamental e fisiológico da mulher. Ou seja, a perda de libido feminina nem sempre está relacionada à menopausa ou a alterações hormonais. Logo, ela acomete mulheres de diversas idades, etnias e classes sociais ¹,².

E a alta libido, o que é? Ela é o oposto da baixa libido. Ou seja, é quando a mulher sente uma vontade frequente de ter relações sexuais, o que também pode desencadear transtornos associados ao excesso de desejo.

O que causa a falta de libido?

A perda da libido feminina é chamada cientificamente de Transtorno do Desejo Sexual Hipoativo, que se caracteriza pela perda total ou parcial do interesse e do desejo de relações sexuais. Ou seja, a ausência ou redução significativa de pensamentos e fantasias sexuais ².

Mas, o que pode ser a falta de libido? Há diversos fatores físicos, emocionais e psicológicos que afetam o desejo sexual da mulher.

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM) classifica as disfunções sexuais femininas como alterações psicofisiológicas no ciclo da resposta sexual, que causam, geralmente, sofrimento e dificuldade de relacionamentos ¹.

O baixo interesse por sexo é resultado do bom ou mau funcionamento de alguns sistemas, como o nervoso, o endócrino e o vascular, que são diretamente responsáveis pelas reações químicas e anatômicas de cada fase do ciclo de resposta sexual ¹.

Um dos principais hormônios ligados ao desejo sexual feminino é a testosterona, que é um hormônio androgênio masculino. Quando ele está abaixo dos níveis normais no corpo da mulher, é possível que ela sinta pouca ou nenhuma libido. Mas isso não quer dizer que todo o ciclo de resposta sexual seja atingido ¹.

E como funciona o estrogênio na libido feminina?

Na verdade, o papel do estrogênio e da progesterona na libido feminina não está totalmente esclarecido. Alguns especialistas acreditam que o desejo sexual da mulher varie ao longo do ciclo menstrual devido aos níveis de progesterona. Quando está alto, há menos libido. ¹.

Eles sugerem também que o aumento da produção de estrogênio no organismo elevam a globulina carreadora dos hormônios sexuais (SHBG) e causam a diminuição da testosterona livre no corpo, o que reduz o apetite sexual ¹.

Um exemplo de como a baixa dos hormônios sexuais afeta o desejo por sexo, é a fase da perimenopausa que acarreta naturalmente a queda da concentração de androgênio no corpo da mulher e, consequentemente, reduz a sua libido ¹.

Leia também: Como aumentar a serotonina no corpo? Saiba o que fazer!

Mas, afinal, o que pode ser a falta de libido?

A redução do desejo sexual pode se associar a vários fatores, como os níveis baixos de testosterona livre no corpo, chegada da menopausa (que há redução de hormônios androgênios no organismo) e doenças cardiovasculares e pulmonares, que geram dificuldade e limitação durante o ato sexual e acabam reduzindo o desejo ¹.

Já no âmbito mental e emocional, assim como a depressão, a ansiedade também diminui a libido ¹. Veja mais alguns motivos que podem afetar o impulso sexual da mulher:

  • consumo de progesterona, que altera o humor feminino e reduz a disponibilidade de hormônios androgênicos, como a testosterona ¹;
  • uso constante de antidepressivos tricíclicos, inibidores seletivos da recaptação de serotonina e anti-hipertensivos ¹;
  • presença de outra disfunção sexual ¹;
  • problemas conjugais, como falta de confiança, pouca intimidade, competição, controle e perda da atração física ¹;
  • fadiga e cansaço excessivos ⁵;
  • estresse ⁵;
  • gestação e pós-parto, pois há a alta produção de prolactina, que afeta a atividade da dopamina no corpo e reduz a libido ¹,⁵;
  • bem-estar físico e mental ⁵;
  • doenças pré-existentes ⁵.

Ou seja, não há apenas um fator que causa falta de libido na mulher. Esse é um transtorno multifatorial e, por isso, deve ser tratado por uma equipe multidisciplinar ²,⁵.

Como diagnosticar baixa libido feminina?

Não é simples diagnosticar a baixa libido feminina quando ela não está relacionada com a alteração hormonal. Portanto, para ser considerada uma disfunção sexual, é necessário que o médico leve em consideração diversos fatores, como histórico de saúde, idade, estilo de vida, uso de remédios, estímulos sexuais e situação social e com o parceiro ¹.

Isto é: o médico vai analisar fatores sociais, culturais, psicológicos e físicos no momento do exame clínico. Isso para esclarecer se a baixa libido feminina é algo adquirido ou apareceu em alguma fase da vida ou se é pontual ou generalizada ¹.

O Transtorno do Desejo Sexual Hipoativo só é considerado, de fato, uma disfunção, quando há alto nível de sofrimento ou dificuldade interpessoal ².

Dicas para aumentar a libido feminina

Agora que você já entendeu o que é a libido feminina e quais são as causas para a sua redução, é hora de saber o que pode ser feito para aumentá-la e melhorar a qualidade de vida!

1. Faça terapia

A primeira dica é bastante indicada por especialistas: procure ajuda profissional para fazer terapia cognitivo-comportamental, terapia sexual ou psicoterapia para investir no autoconhecimento e descobrir as causas emocionais e psicológicas que estão afetando o desejo sexual ⁵.

2. Exercite-se regularmente

Estima-se que cerca de 43% das mulheres que apresentam algum tipo de disfunção sexual são obesas ou sedentárias. Após algumas pesquisas, especialistas confirmaram que exercícios físicos, mesmo feitos em pequenas sessões, melhoram o funcionamento sexual e a libido da mulher ³.

O excesso de gordura corporal impacta o desejo sexual por vários motivos ³:

  • baixa autoestima;
  • piora da saúde cardiovascular;
  • aumento do mau humor;
  • redução da força muscular;
  • entre outros.

Saiba mais: Quais as consequências do sedentarismo para a saúde? Veja as 7 principais

3. Realize exames periodicamente

Para aumentar ou manter a libido feminina é extremamente necessário realizar exames de rotina de forma regular ⁴.

Afinal, a falta de libido pode estar associada a alterações hormonais e a doenças, e isso só pode ser detectado por meio de exames específicos ⁴.

Doenças como hipertensão, diabete, hipo ou hipertireoidismo também afetam o interesse sexual feminino ⁴.

4. Mantenha hábitos saudáveis

Não adianta fugir: para que o corpo funcione de modo equilibrado e haja manutenção da saúde, é preciso ter um estilo de vida ativo e saudável ⁴.

E isso vai muito além da prática regular de atividades físicas, incluindo alimentação balanceada e boas noites de sono ⁴.

Esses hábitos estimulam a saúde mental e física e, consequentemente, o desejo sexual frequente ⁴.

Se quiser começar a mudar a sua vida agora mesmo, leia nosso outro artigo Como ter uma rotina saudável? Veja 5 hábitos que podem te ajudar.

5. Invista na fisioterapia pélvica

Os exercícios que fortalecem o assoalho pélvico são indicados para diversas disfunções sexuais e ajudam a aumentar a libido feminina ⁴.

Toda região pélvica, que envolve vagina, ânus e uretra, é ligada à parte sexual da mulher. A fisioterapia focada nessa parte do corpo contribui para ⁴:

  • aumento da circulação sanguínea no local;
  • melhora da lubrificação vaginal;
  • estímulo da libido.

6. Reduza o estresse e ansiedade

O estresse e a ansiedade diminuem a libido ⁴. Afinal, quando a cabeça está ocupada e com pensamentos excessivos, não dá para o corpo relaxar e a mente pensar em outra coisa, certo?

Para ajudar a reduzir esses sentimentos e melhorar a sua saúde mental, algumas atividades são indicadas, como ⁴:

Caso o estresse e a ansiedade persistam, é recomendado procurar um psicoterapeuta para ajudar ⁴.

Leia também: O que o estresse pode causar? Dicas para aliviar os momentos de tensão

7. Descubra suas fantasias e estímulos favoritos

Outra dica para recuperar a libido feminina é investir no autoconhecimento. Ao longo da vida, suas fantasias e seus desejos mudam e é preciso estar sempre conectada com seu corpo para saber como aflorar a sua sexualidade ⁴.

Se deseja se aprofundar, especialistas também indicam estimular o seu lado sensorial, explorar novas fantasias e objetos sexuais e, claro, investir nas preliminares e descobrir o que você realmente gosta ⁴.

8. Se for preciso, comece uma terapia hormonal

Principalmente as mulheres na menopausa ou que apresentam alterações hormonais precisam iniciar um tratamento com reposição de hormônios (estrogênios) para equilibrar o organismo e aumentar o apetite sexual ⁵.

A reposição de outros hormônios, como a testosterona, ainda é um tratamento controverso em pesquisadores e especialistas. Mas, em casos específicos, pode ser recomendada por ginecologistas ou endócrinos ⁵.

Um estudo mais recente relatou que a testosterona por via transdérmica, que é aplicada diretamente na pele como um adesivo, apresentou sucesso no aumento da libido de algumas mulheres, especialmente as que já estavam na menopausa. Mas, é importante saber que ainda não há pesquisas seguras sobre a reposição prolongada desse hormônio ⁵.

9. Consuma maca peruana e ginseng

Você sabia que alguns alimentos, quando ingeridos diariamente, contribuem para o aumento do desejo sexual ⁴? Ótimo, não é mesmo?

Além de alimentos como pimenta, açafrão, gengibre e feno-grego, destacamos aqui a maca peruana e o ginseng ⁴,⁶.

O ginseng é a raiz de uma planta chamada Panax e é muito usado para ajudar a elevar a energia, fortalecer a imunidade e restaurar o equilíbrio do organismo ⁶.

Entre os componentes ativos, há os ginsenosídeos, que possuem estrutura parecida com a dos hormônios esteroides e contribui para o aumento da força sexual ⁶.

O ginseng é recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como fitoterápico para auxiliar no tratamento e na prevenção de doenças cardiovasculares, neurológicas e oncológicas ⁶.

Já a maca peruana, cultivada no Peru há milhares de anos, é bastante citada quando o assunto é tratamento natural para aumentar a libido da mulher e melhorar sua função sexual.

Estudos feitos com animais indicaram que o consumo desse vegetal eleva a fertilidade e as atividades de espermatozóides ⁶.

Por isso, acredita-se que a maca peruana seja ótima para estimular o desejo sexual, a vitalidade e a fertilidade.

Você pode consumi-los de diversas formas, inclusive como suplemento para libido feminina.

O que é bom para aumentar a libido?

Após descobrir variadas formas de manter e estimular a libido ao longo dos anos, é importante refletir sobre a necessidade do autocuidado diário para que a mulher consiga cuidar da sua saúde física, emocional e mental .

Até porque, a libido pode abaixar caso haja algum problema psicológico, social e biológico. O corpo funciona como uma orquestra. Caso esteja desequilibrado de um lado, todo o organismo é afetado ⁵.

Como o tratamento de disfunções sexuais e da falta de libido feminina é multifatorial, continue aprendendo novas formas de investir na sua saúde integral! Leia mais artigos em nosso blog:

Conheça a linha de vitaminas Vitasay em www.vitasay.com.br.

1. Ferreira, A. L. C. G., Souza, A. I., Ardisson, C. L., & Katz, L. (2007). Disfunções sexuais femininas. Femina, 35(11), 689-95.

2. Delgado, A. M., Ferreira, I. S. V., & de Sousa, M. A. (2014). Recursos fisioterapêuticos utilizados no tratamento das disfunções sexuais femininas. CATUSSABA-ISSN 2237-3608, 4(1), 47-56

3. Jiannine, L. M. (2018). An investigation of the relationship between physical fitness, self-concept, and sexual functioning. Journal of education and health promotion, 7.

4. Borges, Dra.Aline. Como aumentar a libido. Disponível em https://draalineborges.com.br/como-aumentar-a-libido/. Acesso em novembro/2022.

5. Costa, Dra. Vanessa Aoki Santarosa. Baixa libido na mulher. Disponível em https://www.dravanessasantarosa.com/post/baixa-libido-na-mulher. Acesso em novembro/2022.6. Teixeira, A. T. R. D. C., & Vale, B. D. O. C. D. (2021). Análise dos efeitos afrodisíacos do Ginseng e da maca peruana na sexualidade-uma revisão de literatura.