Alimentos que aumentam a pressão

Não é à toa que muitas pessoas buscam aprender quais são os alimentos que aumentam a pressão e os que a mantém em níveis adequados. A hipertensão arterial sistêmica é uma das doenças que mais afetam a população brasileira, principalmente as pessoas da terceira idade ¹.

Mas, engana-se quem pensa que a pressão alta é um dos efeitos do envelhecimento do organismo. Muito pelo contrário, durante o avançar da idade, o processo natural é que a pressão reduza progressivamente. Porém, no Brasil, a prevalência de hipertensão entre a terceira idade é preocupante, afetando também pessoas mais novas  ¹.

E isso pode ser desencadeado por hábitos inadequados de vida, como má alimentação, sedentarismo, estresse, excesso de consumo de álcool e tabaco, entre muitos outros ¹.

Especialistas afirmam que as medidas de tratamento são também indicadas para a prevenção. Por isso, preparamos este guia completo para você saber os alimentos que devem ser evitados por quem tem pressão alta e como cuidar do seu corpo para não desenvolver doenças associadas à hipertensão, que podem ser fatais ¹.

Boa leitura!

O que é pressão arterial?

A pressão arterial (PA) faz parte dos princípios de hidrodinâmica do sistema circulatório. Ela é a pressão que existe dentro das artérias e que se comunica com as suas paredes. A PA depende diretamente da resistência vascular periférica e da saúde cardíaca ⁴.

Os fatores que alteram a pressão arterial são os que envolvem a resistência vascular periférica, como resistência das arteríolas, equilíbrio das concentrações de sódio, potássio e cálcio no organismo, neurotransmissores (epinefrina e a norepinefrina) e hormônios produzidos por várias glândulas endócrinas, como cortisol e antidiurético ⁴.

O que é pressão alta?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a pressão alta ou hipertensão arterial é "uma doença caracterizada por uma elevação crônica da pressão arterial sistólica e/ou pressão arterial diastólica" ⁴. Essa elevação é considerada crônica e apresenta graves riscos para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares ¹.

A hipertensão é considerada um dos maiores problemas de saúde pública porque é crônica, despende altos custos com internações e promove a aposentadoria precoce e a incapacitação por invalidez ⁵.

No Brasil, por exemplo, dados revelam que 17,6% das internações são causadas por hipertensão arterial e os gastos representam 5.9% dos recursos dos SUS (Sistema Único de Saúde) ⁵.

Com origem multifatorial e sistêmica, ela altera as estruturas das artérias e do miocárdio e afeta órgãos como o coração, o cérebro, os rins e os vasos sanguíneos ²,⁵

Principais fatores de risco para a hipertensão

Os fatores de risco mais comuns para o surgimento da pressão alta são ⁵,⁸:

  • fatores hereditários;
  • idade: 60% das pessoas que apresentam hipertensão arterial possuem mais de 65 anos;
  • raça: estudos relatam que a hipertensão é mais presente em pessoas que não possuem a cor branca. Mulheres negras apresentam 130% a mais essa doença que as brancas;
  • gênero: a prevalência de hipertensão na população global é parecida entre homens e mulheres, mas é maior em homens até 50 anos;
  • obesidade: o excesso de peso promove a pressão alta mesmo em pessoas mais novas. A obesidade é diretamente associada a maiores riscos de ter hipertensão;
  • estresse;
  • sedentarismo: a atividade física previne e é um dos tratamentos para pressão alta;
  • consumo excessivo de álcool: é um alto fator de risco que pode desencadear hipertensão e doenças cardiovasculares;
  • uso de anticoncepcionais;
  • alta ingestão de sódio: o alto consumo de sal causa pressão alta;
  • colesterol elevado;
  • diabetes mellitus.

Leia também: Quais as consequências do sedentarismo para a saúde? Veja as 7 principais

Qual é a pressão arterial normal?

Para entender o que é pressão alta, é necessário descobrir qual é a pressão arterial normal, certo? Os valores de referências utilizados são da Sociedade Brasileira de Cardiologia ⁷:

  • pressão arterial ótima: < 120/80 mmHg;
  • pressão arterial normal:  < 130/85 mmHg;
  • pressão arterial limítrofe: 130-139/85-89 mmHg;
  • pressão arterial alta: > ou = 140/90mmHg.

Destacamos que, para considerar a pressão alta como crônica e não como um fato isolado (que pode ser causado por picos de estresse, por exemplo), são necessárias duas ou mais verificações da pressão para diagnosticar a doença ⁴.

Além disso, ressaltamos que a pressão arterial, de modo natural, se eleva até os 50 anos, demonstrando uma estabilidade ou queda progressiva depois ⁴.

Como medir a pressão arterial?

Há duas formas de medir a pressão arterial: pelo aparelho de coluna de mercúrio e pelo esfigmomanômetro aneroide, que é o mais utilizado no dia a dia ⁷.

Para que não haja alteração indevida do resultado final, especialistas indicam que devem ser adotadas algumas medidas, como ⁷:

  • calibrar os aparelhos de seis em seis meses;
  • deixar o paciente descansar por cinco a dez minutos antes de medir a pressão;
  • a pessoa deve estar com a bexiga vazia;
  • não praticar exercícios físicos pelo menos uma hora antes da medição;
  • não fumar, comer e beber café ou bebidas alcoólicas pelo menos 30 minutos antes;
  • evitar conversar durante o procedimento.

O indivíduo deve estar sentado, com o braço sem roupas por cima e apoiado em uma superfície firme, esticado na altura do coração. Além disso, recomenda-se manter a palma da mão virada para cima, as pernas descruzadas, os pés apoiados no chão e as costas apoiadas no encosto da cadeira ⁷.

Médicos indicam também que a medida pode ser feita nos dois braços, mas o ideal é que ela seja repetida no mesmo braço de referência ⁷.

E qual o intervalo para medir a pressão arterial? A recomendação é que o intervalo seja de um a dois minutos ⁷.

Quais os sintomas da pressão alta?

A hipertensão pode ficar assintomática por muitos anos, por isso alguns especialistas afirmam que ela é uma doença silenciosa. Mas, quando há sintomas, geralmente eles envolvem órgãos como o coração, o cérebro, os rins, os vasos sanguíneos e os olhos ⁶.

As manifestações mais comuns da doença são cefaleia (dor de cabeça), sonolência, confusão mental, distúrbio visual, náusea, vômito, distúrbios do sono e fadiga ⁵,⁶.

Como cuidar da pressão alta?

A melhor forma de cuidar da pressão alta e evitar complicações é mudar o estilo de vida. A prevenção mais básica inclui controle do peso, redução do consumo de álcool e sal, prática de atividades físicas regulares e suspensão do tabaco ¹.

Quais são os alimentos que aumentam a pressão?

Um dos principais fatores de prevenção e tratamento é mudar a alimentação. Deve-se evitar ou cortar completamente os alimentos que aumentam a pressão e investir no consumo dos que ajudam a reduzi-la ¹.

A dieta dos brasileiros sofreu mudanças significativas: maior consumo de proteínas de origem animal e de lipídios (gorduras) animais e vegetais e menor ingestão de cereais integrais, leguminosas, raízes e tubérculos. Isso sem falar em produtos processados e ultraprocessados ¹.

E quando a má alimentação é associada a um estilo de vida sedentário, a combinação contribui ainda mais para aumentar as chances de desenvolver hipertensão e diabetes ¹.

Os alimentos que aumentam a pressão possuem alto teor de sódio e gorduras. Veja abaixo os alimentos que devem ser evitados por quem tem pressão alta ²:

  • gema de ovo;
  • crustáceos;
  • margarinas;
  • doces;
  • comidas fritas;
  • derivados do leite integral;
  • conservas;
  • frios;
  • enlatados;
  • embutidos;
  • molhos prontos;
  • sopas prontas (de pacote);
  • queijos amarelos;
  • salgadinhos e outras comidas ultraprocessadas.

O sal causa pressão alta?

O sal, chamado também de sódio, é um dos principais alimentos que aumentam a pressão. Por isso, para prevenir ou tratar a hipertensão, é expressivamente recomendado que haja a diminuição do consumo de sal na dieta diária ².

A ingestão de sal não deve ultrapassar 6g por dia, que equivale a 100ml de sódio ou a quatro colheres de chá. Justamente por isso os ultraprocessados, como enlatados, conservas, embutidos e defumados, fazem mal à saúde e à pressão arterial. Afinal, o sal é usado na conservação desses tipos de alimentos ².

O sal é composto por 40% de sódio e 60% de cloreto. A quantidade ideal de consumo diário é de 500mg por dia, mas, uma pesquisa revelou que os brasileiros ingerem muito mais do que isso: 12,3g/dia ³.

E as bebidas alcoólicas?

Como já falamos, o consumo excessivo de álcool deve ser evitado por pessoas de todas as idades, principalmente as que já possuem hipertensão arterial.

Mas, caso haja o consumo, especialistas orientam ²:

  • 30 g/dia para homens;
  • 15g/dia para mulheres.

Isso equivale, por exemplo, a 700ml de cerveja, 300ml de vinho e 100ml de bebidas destiladas para homens. As mulheres devem tomar metade desses valores recomendados ².

A redução de bebidas alcoólicas pode reduzir a pressão arterial sistólica em 2 a 4 mmHg ².

Aprenda mais: Alimentos com gordura: comer ou não comer? Entenda!

Quais são os alimentos bons para pressão alta?

Além de saber o que deve ser evitado, é preciso inserir na dieta os alimentos bons para pressão alta.

Estudos mais recentes destacam a importância de consumir frutas e hortaliças para controlar doenças cardiovasculares e outras patologias. Portanto, a baixa ingestão desses alimentos aumentam as probabilidades de desencadear hipertensão, entre outras doenças ¹.

As frutas e as hortaliças são fontes riquíssimas de minerais, vitaminas, fibras, antioxidantes naturais e fitoquímicos que protegem o organismo dos efeitos do envelhecimento precoce ¹.

A pirâmide alimentar recomenda que a dieta diária seja composta por quantidades ideais de todos os cinco grupos de alimentos: cereais, vegetais, frutas, carnes e leite ¹.

Em outras palavras: o consumo adequado de frutas e hortaliças não só previne o desenvolvimento de doenças, como a hipertensão, mas também ajudam a tratar, reduzindo a pressão arterial ¹.

O que comer para reduzir a pressão arterial?

As frutas e hortaliças que possuem fibras intactas e carboidratos complexos, com menor índice glicêmico e que promovem maior saciedade. As fibras ajudam a diminuir os níveis de colesterol total e LDL e oferecem antioxidantes naturais, como a vitamina E, vitamina A, carotenóides, vitamina C, flavonoides e compostos fenólicos ¹.

Outra recomendação é inserir na dieta alimentos ricos em micronutrientes como potássio, magnésio e cálcio ¹. O cálcio enfraquece a sensibilidade ao sal e reduz a pressão sanguínea, principalmente em quem já é hipertenso ¹.

Portanto, é fundamental incluir duas a três porções de leite e seus derivados na dieta, como o leite e o iogurte desnatados e queijos brancos, com baixo teor de gordura ¹,².

E o que incluir na alimentação para consumir adequadamente o potássio e o magnésio? Confira mais alguns alimentos bons para pressão alta ²:

  • feijão;
  • ervilhas;
  • vegetais verdes escuros;
  • banana;
  • melão;
  • cenoura;
  • beterraba;
  • frutas secas;
  • tomates;
  • laranja;
  • batata inglesa.

E a castanha-da-índia aumenta a pressão ou diminui? Apesar de ser controversa quando associada ao emagrecimento, esse tipo de castanha ajuda os hipertensos. Ela auxilia na proteção de veias e vasos capilares e estimula a boa circulação sanguínea ⁹.

Faça uma alimentação rica em vegetais, frutas, verduras, grãos e fibras. Leia os rótulos dos produtos e escolha opções com baixas calorias e baixo teor de gorduras saturadas. Prefira sempre alimentos cozidos, assados, grelhados ou refogados, com temperos naturais ²,³.

Saiba cuidar melhor da sua saúde:

Opções de tratamentos para pressão alta

Além de fugir dos alimentos que aumentam a pressão, há recomendações bastante claras sobre a mudança no estilo de vida como o melhor tratamento para pressão alta ².

A hipertensão arterial não tem cura, mas, ao adotar as medidas descritas abaixo, é possível controlar a doença e evitar complicações futuras ². Estudos comprovam que os hábitos saudáveis reduzem a pressão arterial e o risco de doenças cardiovasculares ¹.

Veja algumas recomendações médicas ²:

  • reduzir o peso corporal;
  • diminuir a ingestão de sal, bebidas alcoólicas e tabaco;
  • praticar exercícios físicos com regularidade;
  • não ingerir medicamentos que elevem a pressão arterial

Essas intervenções contribuem também para que o tratamento feito com medicamentos convencionais tenha maior efeito ².

Não deixe de procurar um médico e um nutricionista qualificados para indicar quais alimentos que aumentam a pressão você deve excluir do cardápio e quais você deve ingerir regularmente!

Afinal, cada caso é um caso e eles irão avaliar sua idade, seu gênero, seu estilo de vida e suas condições de saúde.

Aproveite e conheça mais formas de manter uma boa qualidade de vida a longo prazo:

Conheça a linha de vitaminas Vitasay em www.vitasay.com.br.